12 lições básicas sobre Vinho para iniciantes

0

São centenas de e-mails, mensagens no Facebook e inbox por mês de leitores do Vem da Uva querendo saber um pouco mais sobre vinho. As perguntas geralmente tem algo em comum. São perguntas de iniciantes que querem saber o básico para entender um pouco melhor o mundo do vinho.

Uns querem se aperfeiçoar, saber mais sobre o que gostam. Outros precisam conhecer mais para vender vinhos em restaurantes e lojas. Aqui, eu resolvi juntar as dúvidas mais comuns que a gente recebe diariamente. É um guia com 11 lições básicas sobre vinho para qualquer pessoa que esteja iniciando neste mundo.

1. Quanto mais velho o vinho, melhor ele é?

A resposta curta e rápida é “não necessariamente”. Um vinho com potencial de guarda poderá ser guardado e vai melhorar com o tempo, um vinho sem potencial de guarda não adianta ser guardado, não vai melhorar.

Também vai muito do gosto pessoal de cada indivíduo, muitas pessoas preferem vinhos jovens, sem potencial de guarda, enquanto outras, preferem vinhos envelhecidos e complexos. Também depende do objetivo. Você vai querer harmonizar o vinho ou vai querer simplesmente beber com os amigos? Cada ocasião pede um vinho diferente.

Para vinhos de guarda, ou vinhos que podem envelhecer, há cuidados a serem tomados na hora da elaboração: uvas corretas, acidez elevada, taninos de qualidade, ausência de filtração, amadurecimento e passagem por barril de carvalho. Todas essas variáveis, e algumas outras não citadas, devem ser levadas em conta.

Estes são os vinhos mais caros que você encontra nas lojas e supermercados. E eles são caros exatamente por esse motivo, são mais bem cuidados para poderem envelhecer com qualidade. Toda a matéria prima (uva) de primeira qualidade e barris de carvalho encarecem a produção.

Os vinhos jovens não precisam das combinações perfeitas que os de guarda precisam. No geral, quase 95% dos vinhos no mercado se encaixam dentro dessa categoria. São vinhos que devem ser bebidos até 3 anos depois da sua safra indicada no rótulo.

Como são mais baratos, há um grande mercado para vinhos desse tipo. Podem ser harmonizados, mas geralmente, harmonizam com comidas mais simples e não tão complexas, como pizzas.

É importante lembrar também que todo vinho tem uma janela de consumo, que é o período onde ele deve ser consumido. Entenda melhor:

Mesmo os vinhos de guarda irão entrar em decadência em algum momento. Para os grandes apreciadores, essa é sempre uma aposta que pode custar muito. Você pode errar a janela por pouco tempo, e um vinho caro que deveria estar esplêndido pode estar morto. A espera pelo momento ideal de consumo do vinho é sempre uma aposta.

Nós já fizemos uma postagem para responder se vinho quanto mais velho é melhor, você pode se aprofundar no assunto aqui.

2. Tampa de metal ou de rosca significa que o vinho é ruim?

Não necessariamente! Porém, como conversamos anteriormente, essas tampas são específicas para os vinhos jovens e que não são para serem envelhecidos.

A rolha proporciona para o vinho uma micro oxigenação lenta (vai passar muito, mas muito pouco oxigênio pelos micro poros da rolha), que faz com que possibilite o envelhecimento do vinho.

Já a tampa de rosca vai vedar 100% o seu vinho, não fornecendo a micro oxigenação necessária para uma maturação do vinho dentro da garrafa

Também temos uma postagem mais completa para você aprender mais sobre as tampas screw cap no vinho.

3. Quando devo decantar um vinho em um decanter?

Os decanters servem para dois propósitos. O primeiro deles, é para a decantação, ou seja, separar o material sólido do líquido. Lembra que falamos sobre o vinho de guarda não ser filtrado, lá em cima? Muitos vinhos de guarda contêm partículas sólidas do processo de vinificação.

Além disso, com o tempo, os taninos podem se “polimerizar”, juntando-se uns aos outros e tornando pontinhos visíveis no vinho. Tudo isso precisa ser separado do líquido que será bebido, então, o decanter serve para isso.

Uma outra utilidade do decanter é para aerar/oxigenar o vinho, ou seja, para que ele fique em contato com o oxigênio, fazendo com que o vinho se “abra”. É comum ouvirmos a expressão “deixar o vinho respirar”.

Este processo serve para que o vinho mostre os aromas que ainda não foram revelados, por ter sido recém tirado da garrafa. A maioria dos vinhos precisa de uns 30 a 45 minutos abertos para iniciar este processo. Você pode fazer direto na sua taça, girando ela logo depois de servida.

Para saber mais sobre o uso do decanter, temos essa postagem:

4. Como guardar as garrafas fechadas?

A melhor maneira de guarda garrafas de vinhos ainda fechadas, é na posição horizontal. Lembra que comentamos que as rolhas fazem a micro oxigenação dos vinhos? Para que isso aconteça de forma lenta e gradual, a rolha precisa estar umidificada, caso contrário, a rolha secará e ficará com os poros mais acentuados, fazendo com que a micro oxigenação aconteça de forma muito rápida.

É como se você deixasse um algodão seco, passa muito ar por ele. Mas se você umidificar esse algodão, menos ar passará. A rolha também funciona da mesma forma. Portando, vinhos fechados, sempre deitados.

Esconda seus vinhos da claridade. Deixe em um local escuro e fresco. De preferência uma adega. Se você não tiver adegas, procure o local mais escuro e fresco da casa. Garagens e porões costumam ter essas características. Cuidado com a umidade excessiva!

Já os espumantes, podem ser sempre guardados na posição vertical. Isso porque a gente não quer uma grande superfície do líquido em contato com o ar, senão vai causar muita liberação de gás do espumante dentro da garrafa. Portanto, sempre de pé.

5. Como conservar o vinho depois de aberto?

Na geladeira, sempre. Resfriar o vinho vai fazer o processo de oxidação se dar de forma mais lenta. Feche bem a garrafa, da melhor forma possível, e retorne o vinho à geladeira.

Depois de aberto, deixe o vinho de pé, não o guarde deitado. Quando menos vinho tiver contato com o ar, melhor, e se ele estiver deitado, grande parte dele estará em contato com o ar dentro da garrafa.

Quando em contato com o oxigênio, o vinho pode ter alteração na cor, no paladar e principalmente no aroma. Isso acontece rapidamente. Você vai perceber diferença de um dia para o outro. O ideal é consumi-lo no máximo em dois dias depois de aberto. Na hora de beber, tire-o da geladeira algum tempo antes, para retomar a temperatura ambiente. Ou aqueça-o na própria taça, com suas mãos ao redor.

Para saber mais como guardar o seu vinho depois de aberto, temos essa postagem sobre o assunto.

6. O que é vinho do velho mundo e vinho do novo mundo?

O mundo do vinho é divido em dois, para os apreciadores. O primeiro deles, o que deu origem a tudo. O Velho Mundo. É de lá que saem os vinhos mais desejados do mundo. França liderando os países produtores do Velho Mundo. É dito dos vinhos produzidos na Europa, berço da produção de vinho em nível mundial.

O Novo Mundo são os vinhos que despontaram principalmente na América do Sul e Estados Unidos. Chile, Argentina e Estados Unidos são os produtores mais importantes do Novo Mundo.

Separa-se dessa forma, porque nós iniciamos a cultura e produção de vinho muito depois dos países do Velho Mundo. Mas não significa que fizemos vinhos piores. Há diversas degustações às cegas que já deram prêmios importantíssimos para vinhos do Novo Mundo, desbancando muitos produtores de vinhos do Velho Mundo.

7. O que é um vinho assemblage ou vinho de corte?

O termo assemblage vem do francês e significa mistura, união. É exatamente o que é feito aqui. São misturados dois tipos de vinho, duas uvas diferentes. Por exemplo, Cabernet Sauvignon e Merlot.

Essas misturas são muito famosas na França, os vinhos de Bordeaux, por exemplo, geralmente contém as duas uvas citadas anteriormente. É “marca registrada” da região. É comum não encontrar o nome das duas uvas em um vinho que tenha no rótulo “Bordeaux”. Presume-se que seja este o corte usado.

Há também assemblages ou cortes de muito mais que duas uvas. Bordeaux utiliza também a Cabernet Franc em seus cortes. Há vinhos com mais de 5 variedades. O objetivo é conseguir uma harmonização perfeita na bebida, já que há uvas mais tânicas, outras mais ácidas, e por aí vai.

8. O que é um vinho varietal?

Um vinho varietal é um vinho que tem apenas uma única uva em sua composição. A legislação de alguns países permite que um vinho seja classificado como varietal se tiver 75% da uva descrita no rótulo. Portanto, você pode estar bebendo um Cabernet Sauvignon que tem 25% de Malbec sem saber.

Os vinhos varietais são vinhos muito populares no Novo Mundo. Chile, Argentina, EUA. Esses países difundiram a prática do vinho varietal de forma diferente dos Franceses. Por isso, para quem está costumado com os vinhos daqui, fica tão difícil decifrar os rótulos franceses.

Resumo: o vinho varietal é um vinho que é feito de uma uva só.

9. Vinhos Bag In Box são vinhos de qualidade inferior?

Não necessariamente. Os Bag In Box são queridinhos, principalmente, de bares e restaurantes que servem os vinhos em taça.

Isso porque a tecnologia permite servir uma taça sem que o ar tenha contato com o restante do vinho. A sacola de vinho que tem dentro da caixa fica com um vácuo. Quando você tira um pouco de vinho, ela se encolhe, não deixando que entre ar para ficar em contato com o vinho.

É como se uma garrafa se encolhesse toda vez que uma taça de vinho é servida. Isso vai garantir que a qualidade do vinho seja preservada. Uma caixa de Bag in Box pode durar até trinta dias depois de servida a primeira taça.

10. O vinho deve ser servido em temperatura ambiente ou gelado?

O vinho deve ser servido em uma temperatura específica, gelado ou em temperatura ambiente, vai depender de onde você mora e em qual estação do ano você está bebendo.

Por exemplo, se você for beber um vinho em um local onde a temperatura está próxima de zero, com certeza o vinho deverá ser servido um pouco mais quente. Mas se você estiver no calor de 40 graus do Rio, talvez seja legal resfria-lo um pouco.

  • A média para os vinhos tintos é de 18 graus, o que é um pouco mais quente do que a temperatura de uma geladeira comum, que tem uma média de 8 graus;
  • Os vinhos brancos podem ser servidos de 10 a 12 graus, quase a temperatura da geladeira;
  • Já os espumantes podem ser resfriados um pouquinho mais, 8 a 10 graus.

Portanto, o vinho tinto não deve ser servido na temperatura gelada de uma geladeira. É um erro muito comum para quem está iniciando no mundo do vinho, servir o vinho tinto gelado. Se a garrafa suar quando você tirar da geladeira, ele está gelado demais.

Você pode querer ler nossa postagem especial para aprender mais sobre a temperatura ideal para servir vinho.

11. Vinho suave ou vinho seco?

O vinho suave é um vinho colonial ou vinho de mesa. Estes vinhos são produzidos com uvas que tem características mais simples e não complexas. Trazem pouca potência de aromas e sabores. Esses são vinhos simples, feitos de uvas que servem para fazer suco ou serem consumidas in natura, como fruta. Quase todo vinho suave é feito desse tipo de uva.

Os vinhos finos, que tem o estilo europeu de vinho, são feitos de uvas finas, ou seja, Cabernet Sauvignon, Merlot, Malbec, etc. São uvas específicas para a produção de vinho. Isso porque são uvas com maior variação de cor, sabores e aromas. São uvas bem mais complexas do que as uvas de mesa, essas que encontramos no mercado. Por isso são indicadas para fazer vinhos. É extremamente raro você encontrar um fabricante de vinho fino fazendo vinho suave. Mas existem.

Sempre que você encontrar um vinho suave, significa que ele teve adição de açúcar (feito de cana de açúcar). O açúcar comum que usamos em casa. Todo vinho suave tem adição de açúcar.

Talvez você queira aprender mais sobre a diferença entre o vinho fino e o vinho de mesa, temos essa postagem pra você:

12. Bebo vinho colonial suave, mas quero beber vinhos melhores, por onde começo?

Comece pelos mais baratos. Tente um Pinot Noir, um Malbec, um Cabernet Sauvignon, um Merlot ou até mesmo um Carmenère. Vá descobrindo e explorando os diversos tipos de uva. 

Uma das melhores partes do mundo do vinho é a exploração constante. Tentar sempre encontrar o melhor vinho dentro daquela faixa de preço. Quando você tiver explorado a faixa dos 20 reais, pule para os 30 reais. Comece a perceber as diferenças de aroma, paladar, quanto tempo ele dura em sua boca.

Aposte em regiões e países improváveis. Beba os vinhos nacionais. Faça uma reunião com os amigos e peça para que todos tragam uma garrafa de vinho qualquer. Distribua apenas a uva que cada um precisa trazer e uma faixa de preço. Abra todos, explore, brinque. Sem medo, você está começando. Ninguém nasce sabendo. Essa é uma fase incrível para qualquer iniciante no vinho. Aproveite cada minuto. Anote na memória ou em papel as características que você mais gostou de cada um. Treine e treine de novo.

Se você ficou empolgado e quer aprender um pouquinho mais sobre vinho, indico essas três postagens do nosso blog:

E então, está empolgado pra começar a aprender sobre vinho? Essa postagem tentou reunir os conhecimentos básicos. Mas há muito mais pra você se aprofundar e conhecer. O que é tanino, acidez, corpo.

Regiões produtores, terroir, influência do clima. Tipos de uvas, origem. A lista é longa! Mas eu vou estar aqui pra te guiar por todo esse conteúdo. Explore o nosso menu e todas as nossas  postagens a direita. Não deixe de assinar nossa newsletter!

Agora, me diga o que você achou da postagem. É só comentar abaixo! 🙂

Sobre o Autor

Finalista da copa Vinhos do Brasil 2014 realizada pelo IBRAVIN. Colaborador da revista Clube do Champagne. Wine-junkie certificado. Passo meus dias entre vinhedos, escritórios e mesas de bar. Tin-tin!

Nenhum comentário

Envie uma resposta

Mais vinho, por favor!

Assine
e receba
GRÁTIS
dicas sobre vinhos

Divirta-se com uma taça!
ASSINAR
close-link
ASSINAR O BLOG
Shares
Share This