Postagens populares neste assunto

Não há postagens relacionadas

9 Comentários. Deixe novo

  • A qui no sul nós fabricamos vinho puro temes plantação de uvas eles são italianos vinho sem conservantes puro mesmo muito bom

    Responder
  • Marcos Marcon
    Luís Felipe
    20 out, 2019 13:11

    Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Eu comecei provando vinhos finos pra depois descobrir que Niagara é minha uva favorita. Não, os coloniais não desaparecerão e não estão diminuindo. Respeitem os diferentes gostos. (Associar mulher a bebida doce também é outra groselha que li aqui…). Os europeus não gostaram que os americanos produzissem vinhos com suas próprias uvas, mais resistentes e fáceis de cultivar. É essa a única razão do descarte pra esse tipo de vinho, que pode se tornar refinado conforme a vontade do enólogo produtor, tal como com as outras uvas.

    Responder
  • Marcos Marcon
    ROBERTO CALDAS
    11 ago, 2019 14:30

    Os vinhos coloniais, realmente puros, são muito, mas muito bons, quando produzidos com muito cuidado, com respeito ao seu tempo natural de fermentação, embalagem e critérios de higiene. Na minha opinião, e respeitando as divergentes, muitas pessoas sentem-se constrangidas por beber esses vinhos, com os critérios acima citados, por uma questão de imaginarem-se menos importantes ao beber, ou servir, esse tipo de vinho. Claro que, comercialmente, os populares “vinhos de garrafões” são, geralmente, de baixissíma qualidade, porém, quando bebemos um vinho com os critérios citados acima, saboreamos o incrível sabor e aroma das uvas com as quais foram produzidas.

    Responder
    • De fato, Roberto. Quando os coloniais são bem feitos, tem a quem agrade. Muitos dos vinhos vendidos no Brasil ainda são vinhos coloniais, ainda há um publico muito fiel a este tipo de vinho.

      Responder
  • Marcos Marcon
    Alinor Miranda
    18 fev, 2019 09:28

    A anos bebo vinho, e ate hoje gosto mais dos coloniais, questão de gosto mesmo

    Responder
  • Marcos Marcon
    Rejane Freitas
    18 mar, 2015 15:16

    Uma coisa posso garantir: depois de provar os vinhos finos, nunca mais voltaremos a baber os coloniais.

    Responder
    • Realmente, eu acho que muito se dá pelo fato de que os finos trazem um mundo todo novo, né? Como por exemplo as infinitas possibilidades de harmonização que aparecem, coisa que o colonial não tem, não desmerecendo, claro. Cada paladar é único…

      Responder
      • Marcos Marcon
        Rejane Freitas
        27 mar, 2015 17:58

        Verdade Marcos, cada vinho que se prova pela primeira vez traz algo novo ao paladar e se harmonizarmos com os pratos então…fica divino!

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu
Cadastre-se e Aprenda
Sobre Vinho Grátis!
Toda semana você recebe as melhores aulas e postagens de forma gratuí­ta no seu e-mail! Sem pagar nada por isso.
ASSINAR
Aproveite! Em breve nossos cursos serão exclusivos para assinantes!
close-link