Vinho sem rolha (tampa de rosca) é ruim?

Provavelmente você já ouviu falar sobre o duelo entre as tampas de rosca e as famosas rolhas. Afinal de contas, o que é melhor? A tampa de rosca só tira o “charme” de abrir uma garrafa de vinho? Vamos analisar alguns fatos. Mas será que o vinho sem rolha é pior que o vinho com rolha?

A rolha possibilita a micro-oxigenação do vinho, fazendo com que ele evolua com o tempo. Ou seja, o seu vinho vai evoluir mesmo depois que já estiver no mercado, tomando forma e adicionando novos aromas. Os taninos amadurecem, ficam mais redondos e suaves, além de outras mudanças químicas que levam seu vinho ao potencial máximo.

Quando encontramos rolha, significa que o vinho é de melhor qualidade?

Não, não significa. Pelo menos não é algo que você possa afirmar. Atualmente, temos vinhos jovens muito bons com tampas de rosca. O que pode-se pensar é que se a vinícola colocou uma rolha, é porque ela preza mais por aquele vinho. vinho sem rolha É comum encontrarmos dois vinhos da mesma vinícola, o de entrada e algum outro mais sofisticados. O primeiro com tampa de rosca, e o segundo, com rolha.

Por que isso acontece? Porque o segundo vinho, comparado com seu anterior, é de melhor qualidade. Neste caso, analisando todo o contexto, podemos concluir que o segundo vinho é de maior qualidade, o que não tira o mérito do primeiro vinho, em sua proposta.

Quando o vinho é jovem, feito para consumo imediato, sem grande complexidade, ele não poderá ficar por muitos anos guardado, sendo assim, ele não precisa passar pela micro-oxigenação que a rolha possibilita. Este é o argumento de alguns enólogos para a não necessidade da rolha. Vinhos jovens devem ser consumidos, em média, em 3 anos – dependendo da uva.

Outro fator importante a levar em conta é o preço. A tampa de rosca custa para o produtor em média R$ 0,18, enquanto a rolha pode custar até R$ 3 a unidade! Dependendo da cortiça, se maciça ou prensada. Ou seja, a rolha encarece seu vinho!

Mas se o vinho ganhou alguma complexidade durante sua produção, por ser um vinho de maior qualidade, ele merece uma rolha. De forma simplificada, é assim que a vinícola pensa.

Vinho sem rolha, com tampa de rosca, é um golpe de marketing?

Não, não é. Há indícios de que a rolha seja realmente mais interessante para vinhos de guarda, como comentado. Ainda que tudo faça muito sentido, é bom lembrar que o consumidor brasileiro gosta de rolhas e não de tampas de rosca.

Uma pesquisa do IBOPE feita em janeiro desse ano, diz que o consumidor brasileiro, em especial os mais jovens, estão dispostos a pagar entre R$ 13,00 e R$ 15,00 a mais por um vinho cuja rolha seja de cortiça natural. Ou seja, rolhas sintéticas ou de rosca não são bem vindas. Vinho sem rolha? Não.

Interessante, certo?

Pra pensar: Se um Whisky 20 anos de R$ 500 pode ficar fechado com uma tampa de rosca de metal, sem implicar na qualidade do produto, porque uma garrafa de vinho de R$ 20 não pode?

Agora que você já sabe como a rolha influencia realmente no seu vinho, conte pra nós, você prefere vinhos com tampa de rosca ou com rolha? Comente abaixo!

Este post foi útil?

Clique em uma estrela para votar!

Nota média / 5. Contagem de votos:

10 Comentários. Deixe novo

  • O lance do wisky é um questionamento interessante, acredito que esteja relacionado ao fato do uso da uva que faça o diferencial no vinho.

    Responder
    • Então Alex! Realmente, o vinho e o whisky são bebidas bem diferentes, com estruturas químicas também diferentes. A questão ali era mais no quesito comercial, é interessante a comparação, né? Faz pensar!

      Responder
      • Pra complementar, vinhos licorosos também aguentam muito mais tempo sem perder a característica, o famoso vinho do porto é um bom exemplo. A graduação alcoólica alta e o açúcar funcionam como ‘conservantes’ pro vinho..

        Responder
  • Edilson Benvenutti
    6 de dezembro de 2018 22:15

    Comparar destilados com fermentados? Esse site não não parece sério. Abra um whisky e espere ele virar vinagre!

    Responder
    • Ficamos tristes por você não ter gostado de nosso texto, Edilson. O Vem da Uva existe faz 5 anos, e o esforço e constante pra trazer conteúdo de qualidade para nossos visitantes. Somos sérios 🙂

      Muito obrigado pelo seu comentário, ele só nos faz querer ser ainda melhor. <3

      Responder
  • Olá Marcos e equipe! Parabéns pelo excelente trabalho e pela dedicação em trazer tanto material com qualidade e cuidado em apresentar uma linguagem acessível pra quem está iniciando nesse universo realmente fascinante!

    Responder
  • Olá Marcos Marcon e equipe! Parabéns pelo excelente trabalho e dedicação em compartilhar conhecimento com ótima qualidade, e principalmente pelo cuidado em apresentar uma linguagem acessível e confortável para a leitura dos diversos artigos!!! Bon courage! Félicitations!

    Responder
    • Merci, Ederson!

      Tentamos ao máximo simplificar o assunto. Esse foi o intuito do início do blog e sempre será nosso guia – simplificar para manter cada vez mais as pessoas perto desse mundo enorme que é o vinho!

      Je vous souhaite de bonnes fêtes! ?

      Responder
  • Maurilio Deliberali - Alpestre - RS
    24 de junho de 2019 15:32

    Como é produzido o vinho licoroso, chamado de vinho de missa. Quais as características principais.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Leia Também

Menu
Cadastre-se e Aprenda
Sobre Vinho Grátis!
Toda semana você recebe as melhores aulas e postagens de forma gratuí­ta no seu e-mail! Sem pagar nada por isso.
ASSINAR
Aproveite! Em breve nossos cursos serão exclusivos para assinantes!
close-link

Conteúdo de Acesso Premium

É grátis!
Insira seu e-mail para acessar a Ficha de Avaliação de Vinhos
Acesse Agora Mesmo