Aprenda Mais Rápido!
Ficha de Avaliação de Vinhos
Receba agora nossa ficha e comece a avaliar seus
vinhos com os amigos de forma profissional!
Baixe agora. É grátis!
Quero receber a ficha de avaliação grátis!
Não, obrigado.

Uma das uvas que são facilmente associadas ao Uruguai, faz vinhos encorpados e comumente harmonizados com churrasco.

Vamos fazer um jogo rápido sobre a Tannat

A origem da Tannat
Reconhecido pela qualidade e generosidade de seus taninos, a partir do qual toma seu nome, o Tannat é uma variedade de uva nascida no sul da Aquitânia, ao pé dos Pirenéus.

Os aromas do vinho Tannat
Tannat não possui aromas muito específicos. Como muitos vinhos tintos, eles são encontrados principalmente no registro frutado quando jovem.

Amoras, groselhas e frutas vermelhas também são enriquecidas com tabaco louro e envelhecimento do tabaco, toques de caça e peles.

Os vinhos Tannat
O Tannat dá vinhos coloridos, muito tânicos e bastante nervosos – ou seja, com acidez bem marcada.

Esta estrutura duplamente poderosa permite produzir vinhos tintos de qualidade, porém robustos, e muito adequados para o envelhecimento.

Áreas famosas na produção de Tannat
Esta uva está bem estabelecida nas vinhas de sua região de origem, entre Pau e Biarrritz e no sul das Landes, e até Auch, na França.

Foi adotado por produtores de vinhos no exterior, especialmente na América do Sul. Na França, as áreas em produção diminuíram muito ligeiramente nos anos 80, mas recuperaram seu crescimento, com 3150 hectares cultivados em 2006.

Sua precocidade
Tannat é uma uva do segundo período, ou seja, da categoria de moderadamente tardia. Seu surgimento ocorre 4 dias após o Chasselas, que é a uva de referência, e atinge uma maturidade perfeita bastante tarde, com 3 semanas e meia de mudança no Chasselas.

Seu vigor
Tannat é uma variedade de uva bastante vigorosa, que normalmente é cultivada por muito tempo e deve ser trellised por esse motivo.

Os solos que o Tannat prefere
Esta variedade sensível à seca prefere solos com boa retenção de água, mas boa drenagem. As argilas calcárias se prestam perfeitamente às suas necessidades.

Seu clima ideal
Tannat é uma variedade bastante oceânica que precisa de um abastecimento regular de água; ele não gosta de seca. Mas, devido ao seu amadurecimento tardio, requer outonos bastante ensolarados.

A sua sensibilidade à podridão cinzenta também exige que as estações de trás sejam moderadamente regadas, o que é precisamente o caso no sul da Aquitânia.

Sua sensibilidade a doenças e pragas
Tannat é suscetível a ácaros e salteadores. Ele também é um pouco sensível à podridão cinzenta.

Seus usos
Vinho de uva, é usado apenas para produzir vinho.

Reconheça uma videira de Tannat
O Tannat é reconhecível pelas suas jovens folhas avermelhadas com praias bronzeadas. Mas suas folhas adultas têm uma cor verde escura e também são grandes, pentagonal, inteiras.

No final da filial jovem, há também uma alta densidade de cabelos revestidos. Os membros têm três ou cinco lóbulos, com um lobo central alongado e um seio pecíolo pouco aberto ou fechado.

Os lóbulos têm dentes curtos e diretos, e as veias possuem coloração antocianina média. A superfície do membro é girada, borbulhada, às vezes ondulada entre as veias principais.

Sua face inferior tem uma densidade média de cabelos revestidos. Finalmente, note que os cachos são grandes, enquanto as bagas são pequenas a médias.

Taninos agressivos

Tannat é uma variedade vigorosa, atrasada e produtiva. Ele gosta de solos de cascalho e areia. Ele geralmente é conduzido em alta e longa.

É suscetível a ácaros do pó, cicatrizes e podridão cinzenta. Os cachos são grandes, enquanto as grossas bagas azul-pretas são de tamanho pequeno a médio.

Dá vinhos coloridos, muito tânicos, nervosos, adstringentes (com forte acidez, até agressivos). Em troca, o tannat torna possível elaborar vinhos tintos frutados (framboesa), poderosos, robustos e capazes de envelhecimento (essencial!).

É frequente a necessidade de montar com Merlot particular para ter sucesso em domar e suavizar. Para beber de 5 a 10 anos de idade.

É indubitavelmente necessário adicionar às suas muitas qualidades que a sua riqueza de taninos confere aos seus vinhos propriedades antioxidantes reconhecidas contra doenças cardiovasculares!

Em seu reino do Uruguai

Que paradoxo! Enquanto a França agradece a Madiran redescobrir o tannat, está no outro extremo do mundo, a variedade nacional do Uruguai, com uma produção superior à da França.

Sua introdução ao Uruguai remonta à década de 1870 por imigrantes bascos, incluindo Pascual Harriague, daí o nome dele harriague.

Para acreditar que este solo vulcânico no sul do Brasil e o clima muito ameno, especialmente a brisa marítima, são perfeitos para ele!

A uva mais rica em antocianinas

O tannat produz vinhos tintos vermelhos complexos e vigorosos com aromas de frutas pretas (cerejeira, amora,

Montus Prestige

Montus Prestige foi o primeiro 100% Tannat Madiran. Está inteiramente envelhecido em novos barris de carvalho
grosseiro, com notas de especiarias (pimenta, canela, alcaçuz).

Mas é principalmente uma uva que dá taninos, ricos em procianidinas, taninos de sementes.

Com tantos polifenóis, por natureza, antioxidantes, madiran de tannat teria o maior teor de antocianina (cor vermelha) e taninos de todos os vinhos franceses, portanto, no resveratrol, excelente para proteção vascular.

Para informações, cor e taninos são parte da família de moléculas chamadas compostos fenólicos medidos em enologia pelo índice IPT (índice de fenóis totais).

Para o tannat, pode ir até 100, enquanto dificilmente excede 50 para o merlot ou o cabernet sauvignon.

Envelhecimento obrigatório de pelo menos um ano

Para temperar essa variedade de uva, para convencê-lo, o policial, o Madiran está sujeito por decreto a um envelhecimento obrigatório de um ano antes da sua comercialização até 15 de outubro do ano que segue o da colheita.

É também um dos raros vinhos franceses submetidos por decreto a um envelhecimento obrigatório de um ano antes do marketing.

Cinco anos de garrafa são mais necessários para tornar-se fluido e sedoso e desenvolver seus aromas frutados de cereja, groselha, assado e especiarias (Atenção a madirans “ordinário” vendido muito jovem!).

Alain Brumont, este incrível produtor de vinhos que fez redescobrir o tannat

Alain Brumont, o homem que reviveu Madiran, tornou-se uma estrela mundial. Uma personalidade emblemática de Madiran, Alain Brumont é aquele que voltou, há mais de 30 anos, a sua nobreza para essa vinha.

No final da década de setenta, depois de uma estadia no Médoc, ele decidiu criar um grande cru usando métodos similares com o tannat, a variedade tradicional de uva de Madiran.

Seu sucesso será brilhante com o Château Montus adquirido em 1980. A terra em que ele plantou sua vinha, tem encostas íngremes (20 a 40%) voltadas para o sul e cobertas de grandes pedregulhos. Já em 1985, os especialistas são formais.

Eles detectam um grande terroir que permite ao Château Montus escalar entre os melhores vinhos do mundo. Montus Prestige, o primeiro 100% tannat madiran, está inteiramente envelhecido em novos barris de carvalho. Uma revolução para o tempo!

Este vintage será apelidado pelos grandes provadores do mundo, o Petrus Madiran. Com Château Bouscassé, fazenda familiar, Alain Brumont está hoje à frente de uma vinha de 335 ha, incluindo 90% dos melhores terrões de Madiran.

Ele permanecerá na história como este grande produtor de vinhos que redescobriu o tannat, ao mesmo tempo em que deu a denominação Madiran o seu excelente vinho.

A este nome de prestígio, adicione, entre outros, o Château d’Aydie em Madiran e os inevitáveis ​​produtores Plaimont em Saint-Mont.

Uruguai fez da tannat, sua uva nacional

Enquanto a França agradece a Madiran redescobrir o tannat, está no outro extremo do mundo, a variedade nacional do Uruguai, com uma produção superior à da França.

Sua introdução ao Uruguai remonta à década de 1870 por imigrantes bascos, incluindo Pascual Harriague, daí o nome dele para o designar.

Este pequeno país (o mais pequeno dos estados sul-americanos), a transição entre o Pampas argentino e as colinas do sul do Brasil, cercado pelo Oceano Atlântico, tem um ativo: sua vinha de 9000 ha goza de um clima marítimo.

O clima quente aqui é resfriado por novas correntes da Antártica (e do Rio da Prata) que evitam a irrigação tão comum no Brasil. Provavelmente a vinha mais famosa é a da região de Canelonès * (norte de Montevidéu) com um solo tipo burgúnco (argila-calcário) e um clima de tipo Bordeaux, condições ideais para tannat.

Tannat, quase 60% dos vinhos uruguaios

Mapa das regiões vinícolas do Uruguai. 9000 ha, cujo tannat tornou-se a variedade de uva emblemática. Além das grandes propriedades históricas estabelecidas há mais de um século, muitas pequenas propriedades de menos de 5 ha.

O tannat fornece ao Uruguai quase 60% de sua produção de vinho ou 1,784 ha no total (22% da área da vinha) que encontramos principalmente em variedades únicas (veja também a partir de tannat, uma efervescente surpreendente ).

Ele dá vinhos robustos e quentes, mas muito mais acessível, mais aveludado com taninos mais derretidos e menos adstringentes do que o irmão distante de Madiran.

Mas também as regiões de San José e Flórida, bem como no oeste do país (Artigas, Salto, Paysandu, Soriano e Colonia) e todo o norte perto do Brasil (Rivera e Cerro Largo).

Lista com os melhores 50 vinhos Tannats do mundo

Na lista, 7 produtores se destacam, sendo 41% deles uruguaios, 34% franceses, 10% argentinos e 8% brasileiros. EUA, Grécia e Austrália representam os outros 7%.

• Brumont Château Montus Cuvée Prestige, Madiran
• Bodega Garzon Tannat, Uruguay
• Château Bouscassé Vieilles Vignes, Madiran
 Brumont Chateau Montus ‘La Tyre’, Madiran
• Famille Laplace Château d’Aydie Ode d’Aydie, Madira
• Bodegas Carrau Amat Tannat, Cerro Chapeau, Uruguay
• Alpha Estate A1 ‘Alpha One’, Amyndaio, Grèce
• Bodegas Carrau ‘Juan Carrau’ Tannat de Reserva, Cerro Chapeau, Montevideo, Uruguay
• Bouza Tannat, Montevideo, Uruguay
 Vinedo de los Vientos Alcyone Tannat, Canelones, Uruguay
 Producteurs de Plaimont Plénitude, Madiran
 H. Stagnari Tannat Viejo Vinedos La Caballada, Salto, Uruguay
• Brumont Château Montus XL, Madiran
• Michel Torino – El Esteco ‘Don David’ Tannat Reserve, Vallée de Cafayate , Argentine
 Bodega Garzon Reserva Tannat, Uruguay
• Pisano RPF Reserva Personal de la Familia Tannat, Progreso, Uruguay
• Bodegas El Porvenir de Cafayate ‘Amauta Absoluto’ Tannat, Cafayate, Argentine
• Domaine Labranche-Laffont Vieilles Vignes, Madiran
• Artesana Tannat, Canelones, Uruguay
 Y. Rousseau Tannat, Russian River Valley, Californie, USA
• Pisano Rio de Los Pajaros Reserve Tannat, Progreso, Uruguay
 Producteurs de Plaimont Château Saint-Go Rouge, Saint Mont
• Establecimiento Juanico Don Pascual Tannat, Juanico, Uruguay
• Aranjuez Tannat, Tarija, Bolivie
 Narbona Tannat Roble, Puerto Carmelo, Uruguay
• Michael David Winery ‘Inkblot’ Tannat, Lodi, Californie, USA
• Cave de Crouseilles ‘Château de Crouseilles’, Madiran
• Pueblo del Sol Tannat, Juanico, Uruguay
• Establecimiento Juanico Familia Deicas Licor de Tannat, Juanico, Uruguay
• Alpha Estate Utopia Tannat, Amyndaio, Grèce
• Pisano ‘Axis Mundi’ Tannat Super Premium, Progreso, Uruguay
 Bouza A6 Parcela Unica Tannat, Montevideo, Uruguay
• Famille Laplace Chapelle l’Enclos, Madiran
 Brumont Château Montus Cuvée 2000 Jours, Madiran
• Bodegas el Porvenir de Cafayate ‘Laborum’ Single Vineyard Tannat, Cafayate, Argentine
• Colinas de Uruguay Tannat, Maldonado, Uruguay
• Bouza B6 Parcela Unica Tannat, Canelones, Montevideo, Uruguay
• Domaine Laffont Cuvée Hecate, Madiran
• Establecimiento Juanico Massimo DeicasTannat, Juanico, Uruguay
• Intipalka Tannat, Vallée de l’Ica, Pérou
 Pizzorno Family Estates Tannat Reserva, Canelones, Uruguay
 Ariano Hermanos ‘Don Nelson Ariano’ Special Reserve Limited Edition Tannat, Canelones, Uruguay
• Domaine Sergent Cuvée élevée en fût de chêne, Madiran
 Georges Vigouroux Domaine de Poujo, Madiran
• Grupo Traversa ‘Traversa Vinos Finos’ Tannat, Montevideo, Uruguay
• Bouza Reserva Tannat, Montevideo, Uruguay
 H. Stagnari Dayman Tannat, Uruguay
 Domaine du Moulie, Madiran
• Producteurs de Plaimont Collection Plaimont, Saint Mont
 Domaine Labranche-Laffont ‘Les Prephylloxériques’, Madiran
• Lidio Carraro Grande Vindima Tannat, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul, Brésil
 Dominio del Plata Crios de Susana Balbo Limited Edition Tannat, Mendoza, Argentine
• Establecimiento Juanico Don Pascual Réserve Tannat, Juanico, Uruguay
• Marichal Grand Réserve Tannat, Canelones, Uruguay

E você, gostou de saber mais sobre a Tannat?

Conte pra gente se este é um dos seus vinhos preferidos, e rótulos que você recomenda!