Tipos de Vinhos
8 Comentários

Tipos de Espumante: Nature, Extra Brut, Brut, Demi-sec, Moscatel

  1. Blog
  2. Cartilha do Vinho
  3. Tipos de Vinhos
  4. Tipos de Espumante: Nature, Extra Brut, Brut, Demi-sec, Moscatel

É bastante comum irmos ao mercado ou a uma loja de vinhos e não entendermos muito dos rótulos, certo? Você já tentou comprar um espumante? A quantidade e variedade de tipos de espumante é enorme. Estes são alguns deles: Brut, Demi-sec, Moscatel, tem Método Charmat, Método Tradicional ou Champenoise, e por aí vai. O que tudo isso significa e quais os tipos de espumantes que existem?

E agora? Como fazer pra entender isso e comprar um espumante que vai agradar você e seus convidados?

svg+xml;base64,PHN2ZyB4bWxucz0iaHR0cDovL3d3dy53My5vcmcvMjAwMC9zdmciIHZpZXdCb3g9IjAgMCA5NjggNDUwIiB3aWR0aD0iOTY4IiBoZWlnaHQ9IjQ1MCIgZGF0YS11PSJodHRwcyUzQSUyRiUyRnd3dy52ZW1kYXV2YS5jb20uYnIlMkZ3cC1jb250ZW50JTJGdXBsb2FkcyUyRjIwMTUlMkYxMiUyRmNoYW1wYWduZS1tb2V0LWNoYW5kb24tOTY4eDQ1MC5qcGciIGRhdGEtdz0iOTY4IiBkYXRhLWg9IjQ1MCIgZGF0YS1iaXA9IiI+PC9zdmc+

Depois deste artigo você vai conseguir entender melhor os tipos de espumante. Inclusive, ele pode ajudar muito caso você esteja procurando aquele espumante especial para as festividades de réveillon e ano novo!

tipos de espumante

Quais são os métodos de produção de cada tipo de espumante?

Os vinhos espumantes são caracterizados por possuírem as borbulhas, que são provenientes de uma segunda fermentação. Essa segunda fermentação não libera o gás-carbônico para o ambiente, e o incorpora ao líquido, levando-o a formação das borbulhas.

Os espumantes podem ser elaborados basicamente de duas maneiras, para não estendermos demais o assunto.

1. Método Charmat

No Método Charmat, a segunda fermentação é realizada em tanques pressurizados e depois de finalizada a fermentação, o líquido será envasado e você poderá apreciar essa bebida que tanto nos faz pensar em celebrações.

São espumantes mais baratos para serem produzidos, portanto, geralmente mais baratos também na hora da compra. Se você procura quantidade para agradar convidados, talvez essa seja sua melhor opção.

2. Método Champenoise

No Método Champenoise ou Tradicional, é o mesmo método de vinificação utilizado pelas Maisons Françaises de Champagne, onde a segunda fermentação acontece na garrafa e pode levar um tempo maior para ser elaborado, além de requerer uma maior mão-obra para serem finalizados.

Isso significa que, no geral, estes espumantes podem ser mais caros.

svg+xml;base64,PHN2ZyB4bWxucz0iaHR0cDovL3d3dy53My5vcmcvMjAwMC9zdmciIHZpZXdCb3g9IjAgMCA5NTIgOTgyIiB3aWR0aD0iOTUyIiBoZWlnaHQ9Ijk4MiIgZGF0YS11PSJodHRwcyUzQSUyRiUyRnd3dy52ZW1kYXV2YS5jb20uYnIlMkZ3cC1jb250ZW50JTJGdXBsb2FkcyUyRjIwMjElMkYwNCUyRm9maWNpYWwyLnBuZyIgZGF0YS13PSI5NTIiIGRhdGEtaD0iOTgyIiBkYXRhLWJpcD0iIj48L3N2Zz4=

tipos de espumante

Além dos tipos de espumante dividirem-se em Charmat e Tradicional, relativos ao método da segunda fermentação, temos a classificação em relação a quantidade de açúcar que o vinho possui.

Tipos de espumante dos mais secos aos mais doces

Dessa forma você já vai observar que espumante pode lhe agradar mais o seu paladar, temos os espumantes mais doces (moscatel, asti, prosecco) e os Bruts que contém menos açúcar residual.

Não precisa ficar assustado com o termo “açúcar residual”. Tenha em mente que isso apenas afeta na doçura do espumante.

É comum vermos no mercado e conhecermos apenas os espumantes Demi-Sec e os Brut, certo? Porém temos outros tipos de espumante, menos populares, como o Nature ou o Extra-brut.

Vamos conhecer os tipos de espumante. Brut, Demi-sec, Extra-brut e Nature

Lista dos tipos de espumante de acordo com a quantidade de açúcar

Vamos ver um pouco mais sobre cada um deles, e o que a legislação nacional diz sobre a produção do vinho espumante e quanto ele tem que ter de açúcar para entrar em cada categoria.

1. Espumante Nature

O que contiver até 3 gramas de açúcar por litro. Ou seja, quase nada de açúcar.

2. Espumante Extra Brut

O que contiver superior a 3 e até 8 gramas de açúcar por litro. Bastante seco, mas não tão seco quanto o Nature.

3. Espumante Brut

O que contiver superior a oito e até quinze gramas de açúcar por litro. É o espumante “seco” mais comum de se encontrar nos mercados. Quem gosta de vinho menos doce, esse é o espumante ideal.

4. Espumante sec ou seco

Muito incomum atualmente no mercado, quase não é mais produzido, já que a maioria se encaixa no demi-sec ou Brut.

Mas o sec ou seco é o espumante que contiver quantidade superior a quinze, porem menos de vinte gramas de açúcar por litro.

Embora a lei brasileira contemple este tipo de espumante, raramente vemos um rótulo com essa especificação. Geralmente o espumante seco é chamado de Brut;

5. Espumante demi-sec, meio-seco ou meio-doce

O que contiver superior a vinte e até sessenta gramas de açúcar por litro. É para aqueles que gostam de espumante doce, mas não tão doce quanto o moscatel, nem tão seco quanto o Brut.

Junto com o Moscatel e o Brut, é um dos tipos de espumante mais comuns e agrada a muitas pessoas que estão iniciando no mundo do vinho, por não ser nem tão doce, nem tão seco.

6. Espumante doce

O que contiver superior a sessenta gramas de açúcar por litro. O moscatel é uma boa pedida para quem procura um espumante doce.

Agora na sua próxima compra você já pode observar mais um detalhe no rótulo do seu vinho. Aliás, tem gente que pensa que espumante não é vinho, mas é sim.

Podemos dividi-los em vinhos tranquilos e vinhos espumantes. Se você quiser aprender um pouco mais sobre espumantes, nós indicamos este livro aqui. Aí sim você vai ficar craque em tipos de espumante.

Espumantes que nós indicamos

Agora se você quer dicas de que espumantes são bons para dar boas vindas à 2016, ou simplesmente para beber uma bebida refrescante, segue algumas indicações de algumas vinícolas premiadas no ano de 2015, que oferecem bons exemplares, para todos os gostos.

  1. Um exemplo de bom moscatel, pode ser encontrado na Cave de Pedra. Já na Cia. Piagentini, existe a linha X Vinhos, possível encontrar para todos os gostos.
  2. Já um bom champenoise, poderá ser adquirido na Cave Geisse, ou também na Casa Valduga.

E para sairmos da zona de conforto gaúcha, ótimos catarinenses, dentre moscatéis, bruts, rosés, e de ambos os métodos de vinificação podem fazer parte da sua adega.

Uma boa pedida são os espumantes das seguintes vinícolas:

  1. Vinícola Pericó;
  2. Villaggio Grando; 
  3. Sanjo;
  4. E da também catarinense Villa Francioni.

Gostou da postagem? Conseguimos te ajudar um pouco? Espero que sim. Porém, se ficou alguma dúvida, se você encontrou um erro ou acha que algo deveria ser acrescentado, deixe um comentário para a gente abaixo!

Tags: ,

8 Comentários. Deixe novo

  • Indicou Geisse, caio fora. Descarto todo o resto. Um monte de espumante de qualidade duvidosa que essa vinícola faz, e tudo não passa de marketing e apreciadores de “vinho cult”. Temos espumantes perfeitos por menos de R$ 30. Gastei quase R$ 1000 explorando os vinhos da Geisse pra descobrir que tudo não passava de marketing.

    Responder
    • Que pena, Luís! De fato, ultimamente a oferta de espumantes de qualidade tem aumentado muito, inclusive dos mais complexos e gastronômicos. Continuo gostando muito dos Cave Geisse, mas concordo contigo que as vezes o investimento pode ficar um pouco salgado. Eu adoro um Nature, então, o Terroir Nature deles pra mim continua figurando entre os melhores espumantes nacionais dentro da proposta dele, algo mais estruturado, gastronômico. Ao contrário de espumantes mais frescos e descompromissados que a gente encontra, realmente, ótimos exemplares nacionais até mesmo por menos de R$ 30. Tudo vai da proposta do espumante. Não tem como a gente comparar um espumante que tem autólise de 24, 36 meses, por exemplo, com um Prosecco fresco, descompromissado. Aí a “briga” realmente não vai fazer sentido…

      Marcos.

      Responder
  • svg+xml;base64,PHN2ZyB4bWxucz0iaHR0cDovL3d3dy53My5vcmcvMjAwMC9zdmciIHZpZXdCb3g9IjAgMCA1MCA1MCIgd2lkdGg9IjUwIiBoZWlnaHQ9IjUwIiBkYXRhLXU9Imh0dHBzJTNBJTJGJTJGd3d3LnZlbWRhdXZhLmNvbS5iciUyRndwLWNvbnRlbnQlMkZ3cGhiLWNhY2hlJTJGZ3JhdmF0YXIlMkYwOTMlMkYwOTM4OGFjNjI3ODgzMjZlYjRiNWMzYWE2YzE1YzAzNXg1MC5qcGciIGRhdGEtdz0iNTAiIGRhdGEtaD0iNTAiIGRhdGEtYmlwPSIiPjwvc3ZnPg==
    Monica Teixeira
    12 de julho de 2020 23:35

    Cara, que site espetacular!!!!
    Já perdi a conta de quantos artigos eu li.
    Viajei lendo. Revisteir lugares que fui eu suscitei desejo por de ir a muitos lugares.
    Só fez aumentar o meu apreço por esse alimento, sim, o vinho um alimento!
    Linguagem popular, porém elegante.
    Vida longa aos produtores deste conteúdo!
    Saúde.

    Responder
    • Monica, obrigado pelas palavras! Esse tipo de comentário é o que mantém a gente motivado pra continuar trazendo novos textos. Pode não parecer, mas é muito trabalho envolvido! rs.

      Eu adorei a forma como você descreveu o conteúdo, esse sempre foi o objetivo: tentar expor um conteúdo repleto de termos técnicos de uma forma simples. O seu comentário faz a gente perceber que o objetivo foi alcançado! 🙂

      Agradeço de coração por tirar um tempo pra deixar esse depoimento aqui <3

      Grande abraço e saúde!

      Marcos.

      Responder
  • Adorei!!!! Quando utilizar os espumantes ou os vinhos calmos?

    Responder
  • Outro ótimo artigo. Parabéns. Lembro que difícil comprar espumantes qdo tem muita mulher em casa. A preferencia é pelos doces e semi séc. Aí a dificuldade de comprar pq a maioria de super mercados do tem os bruts.

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu
  
 Cadastre-se  e Aprenda 
 Sobre Vinho Grátis! 
Toda semana você recebe uma aula exclusiva no seu e-mail, tudo grátis!
ASSINAR ➤
Aproveite! Em breve nossos cursos serão exclusivos para assinantes!
close-link