Países
1 Comentário

Vinho Italiano: Conheça os Vários Estilos

A Itália conta com 350 áreas para a produção oficial de vinho, sendo que o nome de uma localidade pode aparecer em diversos produtos.

Por causa disso, muita gente acredita que os rótulos do país são bem complexos de compreender.

svg+xml;base64,PHN2ZyB4bWxucz0iaHR0cDovL3d3dy53My5vcmcvMjAwMC9zdmciIHZpZXdCb3g9IjAgMCA5NjggNDUwIiB3aWR0aD0iOTY4IiBoZWlnaHQ9IjQ1MCIgZGF0YS11PSJodHRwcyUzQSUyRiUyRnd3dy52ZW1kYXV2YS5jb20uYnIlMkZ3cC1jb250ZW50JTJGdXBsb2FkcyUyRjIwMjAlMkYwMiUyRnRvc2NhbmEtOTY4eDQ1MC5qcGciIGRhdGEtdz0iOTY4IiBkYXRhLWg9IjQ1MCIgZGF0YS1iaXA9IiI+PC9zdmc+

Mas, por que isso acontece? Simples! O método italiano estabelece que a nomeação dos seus vinhos conte com o local de produção e não pela variedade de uva usada.

Essa maneira também é empregada em algumas nações europeias. Por isso, toda a ajuda é bem-vinda para escolher os melhores vinhos italianos, né?

Vamos conferir a lista!

Vinhos italianos que você precisa experimentar

Vamos começar com um clássico e terminar com outro. Segue a lista e aguarde o número 11!

1. Barolo (Piemonte)

Provavelmente, o Barolo é mais famoso da Itália. Ele é oriundo do Piemonte, sendo realizado totalmente com a uva Nebbiolo.

Bem concentrado, esta é uma bebida com bom corpo e rigoroso. Dependendo do tempo de curtição, ele passa a ter uma pegada leve adocicada e que satisfaz a maioria das pessoas.

Por isso, a recomendação é que essa taça deva ser acompanhada nas refeições bem fortes e temperadas. As carnes de caça, trufas, batatas, queijo parmesão e molhos fortes.

2. Valpolicella (Vêneto)

Essa é uma grande região italiana e, geralmente, as bebidas são famosas pela excelência, o frescor, as frutas vermelhas e até o toque apimentado.

svg+xml;base64,PHN2ZyB4bWxucz0iaHR0cDovL3d3dy53My5vcmcvMjAwMC9zdmciIHZpZXdCb3g9IjAgMCA5NTIgOTgyIiB3aWR0aD0iOTUyIiBoZWlnaHQ9Ijk4MiIgZGF0YS11PSJodHRwcyUzQSUyRiUyRnd3dy52ZW1kYXV2YS5jb20uYnIlMkZ3cC1jb250ZW50JTJGdXBsb2FkcyUyRjIwMjElMkYwNCUyRm9maWNpYWwyLnBuZyIgZGF0YS13PSI5NTIiIGRhdGEtaD0iOTgyIiBkYXRhLWJpcD0iIj48L3N2Zz4=

Além disso, a estrutura pode ser conservada por muitos anos bem fechada e até alguns dias se estiver aberta.

Portanto, essa é uma excelente opção para quem aprecia um vinho moderado. O ideal é que a taça seja servida com pratos do dia a dia, como arroz, feijão, massas, carnes de panela e/ou porco e com temperos simples.

3. Sagrantino di Montefalco (Umbria)

Embora não seja tão reconhecida no exterior, essa bebida é muito bem avaliada e conta com bom corpo.

O aroma é de passas, alcatrão e pinho, enquanto o gosto remete às frutas silvestres. Por isso, ele é reconhecido como um dos produtos mais potentes de toda a Itália.

Vale salientar ainda que esse tipo de uva possui uma grande concentração de polifenóis, algo que faz muito bem para o coração por impedir as inflamações e reduzir a taxa de açúcar na corrente sanguínea.

Os especialistas recomendam o seu consumo dom trutas, fondue, massas com molhos bem fortes e diferenciados.

4. Amarone della Valpolicella (Vêneto)

Esse vinho conta com mão pesada do seu produtor, uma vez que é fabricado com uva apassitadas. Isso quer dizer que elas passaram ligeiramente do ponto habitual, resultando na maior conservação do gosto, aromas e açúcar.

No entanto, o valor de compra é mais elevado! Sendo assim, você pode tomar com pratos bem apimentados, risotos, queijos azuis e até parmegianas.

5. Valpolicella Ripasso (Vêneto)

Esse vinho conta com cascas das appassitadas e o vinho Valpolicella tradicional.

Por conseqüência, esse é um produto bem denso, escuro e cheio de texturas, só que se diferencia pelo sabor aromático e vibrante.

Por causa disto, o consumidor deve saborear com cozidos, fígado, coração, churrasco e até guisados.

6. Chianti (Toscana)

Esse é um vinho clássico no planeta inteiro. Fabricada na Toscana, essa é uma bebida feita regularmente desde 1700 e demonstra tonalidade avermelhada, rubi e com perfume florear.

A recomendação para seu consumo é juntamente com as carnes e os queijos curados, como, por exemplo, o Pecorino toscano.

7. Barbaresco (Piemonte)

Barbaresco vem da região de Piemonte e é considerado a realeza dos vinhos, especialmente, por contar com um período menor em carvalho antes de ser levado até a garrafa.

Isso se deve a quantidade menor de taninos, proporcionando uma ótima sensação para aqueles que não aprovam a sensação amarga na boca.

Apesar disto, a bebida vai ficando cada vez mais avermelhada e/ou laranja, semelhante a um tijolo.

As frutas se ressecam, como acontece com as passas. Sendo assim, as melhores opções são carnes de panela, picadinho, queijos, bife a role, risotos, massas e lingüiças.

8. Franciacorta (Lombardia)

Você conhece a champagne italiana? Pois, este é o espumante mais glamoroso da Itália, Franciacorta.

A sua produção é tradicional, contendo o segundo processo de fermentação diretamente na garrafa a fim de respeitar a metodologia francesa.

Só que existe um diferencial gigantesco no Franciacorta! Isso porque esse vinho é classificado como algo tão extraordinário que dispensa o rótulo de origem.

Algo exclusivo em todo o país. Dá para se notar os gostos tostados da levedura e das frutas em ponto de matura. O espumante deve ser servido com petiscos, feijoada, frutos do mar e até frituras.

9. Vin Santo (Toscana)

Se você tiver a curiosidade para descobrir qual é o vinho de sobremesa de mais alta qualidade no território italiano, aqui está! Vin Santo é um ponto extremamente fora da curva, uma vez que é produzido com uvas bem frescas e que secam em cima do seu açúcar natural.

Sofisticamente adocicado, o Vin Santo ainda disputa com títulos franceses e húngaros pela preferência global de bebida para sobremesa.

A sua capacidade de armazenamento por uma década é um dos diferenciais.

É importante ressaltar que o nome se deve a uma antiga tradição de padres italianos, que costumavam selecionar as bebidas mais doces para as suas missas.

Em função disto, se popularizou o nome santo. Esse vinho santificado cai muito bem com sobremesas, doces com castanhas, biscoitos italianos e tortas que não contem com chocolate.

10. Brunello di Montalcino (Toscana)

A Sangiovese é a variedade de uva mais comum no país, fazendo com que o Brunello seja a sua melhor realização.

A curiosidade é que esse nome significa escuridão, o que demonstra como a sua coloração é escura, densa e com aparência licorosa.

Todas essas características peculiares lhe catapultaram para um status não apenas de queridinho nacional, mas mundial.

recomendação é que esse vinho produzido na região da Toscana seja saboreado com carnes vermelhas mal passadas, trufas e queijos.

11. Supertoscanos (Toscana)

Os supertoscanos não correspondem a um único rótulo, contudo são bebidas rebeldes e que não se encaixam as normas de regulamentação. Entretanto, isso não representa baixa qualidade ou falta de capricho na produção. Muito pelo contrário!

Os supertoscanos possuem sofisticação elevada e sabores complexos. O ideal é degustar destas bebidas com pratos vegetarianos, polentas, lasanhas, pizza e carnes de gado e porco.

Conclusão

E então, gostou de conhecer os vários estilos de vinhos italianos? Conta pra gente se você já teve a oportunidade de beber algum deles nos comentários!

Tags:

1 Comentário. Deixe novo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu
  
 Cadastre-se  e Aprenda 
 Sobre Vinho Grátis! 
Toda semana você recebe uma aula exclusiva no seu e-mail, tudo grátis!
ASSINAR ➤
Aproveite! Em breve nossos cursos serão exclusivos para assinantes!
close-link