Aprenda Mais Rápido!
Receba Nossa Ficha de Avaliação
E comece agora mesmo a avaliar seus vinhos
com os amigos de forma profissional!
Deixe seu e-mail e tenha acesso gratuíto agora mesmo!
Quero receber a ficha de avaliação grátis!
Não, obrigado.

A semana começou em choque para os produtores e consumidores de vinhos franceses.

Autoridades do país revelaram na segunda feira que cerca de 10 milhões de garrafas de vinho rosé espanhol de baixo custo estavam sendo vendidos falsamente como vinhos rosés franceses, fraude aplicada por produtores e importadores franceses.

Provance é uma das regiões com os rosés mais admirados do mundo

A região de Provance na França é reconhecida mundialmente como produtora dos melhores rosés do mundo, daí explica-se a motivação dos responsáveis pela fraude, que deixou a comunidade vinífera francesa em choque esta semana.

As garrafas estavam sendo vendidas em diversos restaurantes, lojas de vinho e mercados franceses, inclusive na região de Paris.

A DGCCRF – Direção-Geral da Concorrência, Defesa do Consumidor e Controle de Fraude francesa, em tradução livre – realizou uma extensa investigação entre os anos de 2016 e 2018. O órgão equivale ao Inmetro brasileiro.

A organização detectou quatro casos de produtores/importadores fraudulentos, envolvendo cerca de 7 milhões de litros de vinhos falsificados, o equivalente a 10 milhões de garrafas.

O vinho era comprado na Espanha e vendido na França como se tivessem sido produzidos no próprio país.

Como as investigações foram conduzidas

Investigadores ficaram horrorizados ao encontrar evidências de que o vinho espanhol estava sendo distribuído como vinho francês em mais de um quinto dos estabelecimentos que foram investigados e verificados.

Os resultados foram revelados pelo jornal Le Parisien na segunda-feira, 9 de Julho de 2018, e chocaram a França e os produtores de Provance, que têm o alto das vendas nesta época do ano – o verão do país.

Como a fraude era feita

O rosé espanhol foi comprado a granel por apenas 34 centavos de euro (R$ 1,70) por litro no momento em que a investigação começou, em 2016, em comparação com o custo de 75 a 90 centavos de Euro (de R$ 3,40 a R$ 4,00) para os rosés franceses. Os fraudadores pagavam menos da metade do preço do vinho original.

“Fomos alertados para a ‘francesização‘ do vinho espanhol no final de 2015″, disse Alexandre Chevallier, diretor da agência. “Por isso, lançamos uma investigação em todos os níveis, desde produtores até importadores, restaurantes e distribuidores”, disse ele.

Na região da capital do país, Paris, cerca de 17 mil garrafas de rosé espanhóis estavam sendo vendidas como vinho francês e foram retiradas das prateleiras dos supermercados.

Punições para os fraudadores

As acusações de fraude comercial foram apresentadas, até o momento, para um único produtor, que agora pode pegar até dois anos de prisão e multa de 300 mil euros (mais de 1 milhão de reais).

A estratégia usada pelos fraudadores do Vinho Rosé

Entre as táticas usadas pelas empresas que fraudavam o vinho, estavam esconder a origem do mesmo no rótulo.

Para isso, eles imprimiam uma flor de lis francesa tradicional no rótulo, por cima da origem original do vinho, onde era possível ler os dizeres “engarrafado na França”.

Além disso, os fraudadores usavam imagens de um castelo francês no rótulo para dar a impressão de que as uvas foram cultivadas em um vinhedo francês.

Nos supermercados, os vinhos espanhóis rosés estavam localizados na seção de “Vinhos Franceses”, levando os clientes a acreditarem estar comprando vinhos produzidos na França.

Fraudes no mundo do vinho não são novidades na França

Este foi o último de uma série de escândalos que abalam a reputação do vinho francês em todo o mundo.

O escândalo aconteceu logo depois de a polícia ter descoberto em Março que mais de 66 milhões de garrafas de vinho de mesa comum foram franceses foram vendidos como os famosos Châteauneuf-du-Pape e outras prestigiadas denominações do Côte du Rhône.

O jornal The Telegraph também lembrou que, em 2010, 12 vinicultores e comerciantes do Sul da França foram condenados por vender milhões de Pinot Noir falsos à E&J Gallo, um dos maiores conglomerados de vinho dos Estados Unidos (uma espécie de Concha y Toro Americana).

Durante o julgamento do caso, os advogados dos produtores franceses fizeram questão de frisar que “nenhum consumidor americano reclamou”, relatou o jornal. O comentário não foi recebido bem recebido entre os consumidores de vinho ao redor do mundo.

Será que você já foi vítima de falsificação de vinho? Ela é mais comum do que parece. Especialistas afirmam que mais de 20% de todo o vinho mundial é falsificado. Você não mora no único país corrupto do mundo.