Principais uvas de Vinho Tinto

0

Nas guias abaixo, você pode navegar pelas 18 principais uvas tintas de vinhos finos. Descubra um pouco mais da característica de cada uma, e se quiser saber mais sobre uma delas, é só navegar para seu perfil, clicando no botão no fim do texto, se disponível. Nós fizemos tudo com muito carinho e esperamos que seja útil e de fácil navegação! Aproveite! 🙂

Alicante BouschetAncellotaBarberaCabernet FrancCabernet SauvignonCarménèreGamayMerlotMalbecNebbioloPetit VerdotPinotagePinot NoirSangioveseSyrah (Sirah ou Shiraz)TannatTempranilloTouriga Nacional

Alicante Bouschet

Também conhecida como Garnacha Tintorera. Tipo de uva originária da França, criação de Henri Bouschet, cruzamento das variedades Petit Bouschet com Grenache.

Apesar da criação francesa, foi no Alentejo, em Portugal, que a Alicante Bouschet encontrou seu lar. Ali, cerca de 5% de todos os vinhos são de Alicante Bouschet.

A casta é usada para dar cor e corpo aos vinhos. Vinho utilizado em assemblages na correção de vinhos de baixa acidez.

Ancellota

Uva nativa da região da Emiglia Romagna, na Itália. Vinho de cor intensa, utilizado na maioria das vezes para fornecer cor em vinhos de assemblage.

Geralmente, médio teor alcóolico e baixa acidez.
No Brasil, no Vale dos Vinhedos, você vai encontrar ótimos vinhos desta variedade.

Barbera

Originária do Piemonte, Itália. Como fruta possui película tinta e sabor simples. Já foi umas mais importantes viníferas tintas no Rio Grande do Sul.

Seu vinho tinto, geralmente é encorpado, pode ser utilizados em assemblages para aportar cor, corpo, taninos, e possui potencial para longo envelhecimento.

Cabernet Franc

Essa variedade tinta é originária de Bordeaux, França. A coloração de sua casca, película é tinta, e como fruto, possui a característica de sabor herbáceo.

Em grande parte dos terroirs nacionais origina ótimos vinhos tinto, que se varietal será de médio envelhecimento, ou para ser consumido jovem.

Cabernet Sauvignon

De longe é a variedade mais conhecida das tintas. Também originária de Bordeaux, França. Contudo, essa cepa é um híbrido natural; cruzamento das variedades Cabernet Franc e Sauvignon Blanc.

Como fruto, assim como a Cabernet Franc, possui película tinta e sabor herbáceo.
Produz vinho tinto, pode ser um varietal fino e de longo envelhecimento, sendo de grande importância para as assemblages. Possui a maior área de vinífera tinta no Brasil.

Carménère

Cepa tinta, “parente” dos Cabernet, já não é mais cultivada na França. Existe no Chile plantada de pé-franco (leia nosso artigo sobre enxertos aqui).

O vinho tinto, como varietal, é tânico e possui potencial para envelhecimento.

Gamay

Originária da Borgonha, França. Conhecida por produzir os vinhos Beaujolais Noveaux. Que são vinhos que ficam prontos para consumo no ano em que foram colhidos.

Vinho tinto extremamente leve, bastante aromático.
É uma excelente opção para quem quer começar a se aventurar em vinhos seco.

Merlot

Cepa originária de Bordeaux, França. Como fruto também é de película tinta e sabor herbáceo.
Seu vinho é de característica tinta, como varietal tem se mostrado de médio-longo envelhecimento, mas não deixando de ser um vinho também para ser consumido jovem.

Esta também é uma uma cepa importante para as assemblages. Variedade que muito bem se adaptou ao Sul do Brasil, rendendo exemplares de alta qualidade, com potencial para guarda.

Malbec

Ainda é pouco cultivada no Brasil. Muito importante na Argentina. Vinho de coloração intensa, que pode ser utilizado em assemblages.


Nebbiolo

Originária do Piemonte, na Itália. Produz vinhos para longo envelhecimento. Variedade que é sensível ao clima e solo que é submetida, de difícil adaptação.

Petit Verdot

Cepa “aparentada” aos Cabernet, amadurece mais tarde que a variedade Cabernet Sauvignon. Como fruto tem a película tinta, escura e grossa.

Seu vinho é rico em taninos e também em cor, dá a característica de aromas de especiarias quando sua maturação é completa.

Pinotage

Cepa originária da África do Sul,  cruzamento das varidedades Pinot Noir e Cinsault. Como fruto possui película tinta e um sabor simples.

Seu vinho tinto, varietal fino, tem capacidade de breve a médio envelhecimento. Devido a sua leveza, pode ser utilizado como vinho base para espumantes.

Pinot Noir

Variedade originária da Borgonha, França. Como fruto, possui película tinta e sabor neutro. Seu vinho tinto, varietal, é característico por cor delicada.

Pode ser utilizado para espumantes, quando vinificado em branco. Variedade que tem a característica para produzir bastante açúcar, no entanto, é muito sensível as condições climáticas impostas.

No sul do Brasil, há dificuldade para que a plena maturação seja atingida, porém, as regiões vitícolas já apresentaram bons vinhos e espumantes dessa variedade.

Sangiovese

É uma das cepas mais tradicionais da Itália, cultivada praticamente em todo o território do país. A maturação da uva é tardia, produz vinhos alcoólicos e de grande longevidade nos anos quentes.

Quando o tempo esfria a acidez é alta e os taninos duros. Seu fruto é de película fina podendo ser susceptível à podridões.

Syrah (Sirah ou Shiraz)

Responsável por compor vinhos de grande qualidade no sul da França, assim como é a garota propaganda dos vinhos da Austrália.

Sua origem é controversa, e recentemente descobriu-se como um cruzamento de uma variedade tinta “Dureza” e uma uva branca “Moundeuse Blanche”.

Seu cacho é pequeno e as bagas também. Quando a uva é colhida bem madura, produz vinhos de grande qualidade, de cor intensa, aromático, fino e complexo.

Adapta-se bem ao clima semiárido do Nordeste Brasileiro. O vinho é bastante tânico, de bom corpo e acidez, com alto potencial alcoólico.

Tannat

Originária dos Pirineus Orientais, França. O seu fruto é de película tinta, e sabor simples.

Produz vinho de acidez alta, muito tânico, muitas vezes é utilizado em assemblages para aportar cor e taninos ao vinho e é de longo envelhecimento devido a sua adstringência.

Tempranillo

Sua uva é de película grossa, o que leva a vinhos de coloração intensa e longo envelhecimento. No entanto, ao contrário da maioria das outras cepas espanholas, seu teor alcoólico não é muito alto e sua acidez é baixa.

Quando a variedade é submetida a climas mais amenos produz vinhos bem equilibrados. Os aromas do vinho podem varias desde tabaco a especiarias e couro.

Touriga Nacional

Uva tinta portuguesa, utilizada tanto em vinhos do porto como em vinhos não-licorosos. Como fruto, seus cachos são pequenos e compactos e as bagas pequenas também.

Seu vinho é complexo, de corpo e estrutura, tem bom teor alcóolico e de cor intensa, potencial para longo envelhecimento.

Postagens relacionadas aos tipos de uva ou tipos de vinhos que podem te interessar:

Este guia foi útil para você? Talvez seja útil também para um amigo, compartilhe!

A intenção de juntar essas informações em uma única postagem foi para que você possa conhecer as principais uvas de e tipos de vinhos mais comuns e com maior possibilidade de encontrar no mercado. A intenção é facilitar a descoberta de novas uvas que fazem tipos de vinhos que você ainda não experimentou, ou que quer conhecer melhor.

E então, conseguimos atingir o objetivo? O que você achou das informações, gostou de conhecer um pouco mais sobre as uvas tintas? Conte pra gente nos comentários abaixo!

Sobre o Autor

Já quis ser advogado, juiz e economista. Tenho 23 anos. Técnico em Vitivinicultura. Estudante de Engenharia Química, sendo que no decorrer do caminho descobri que serei vitivinicultor.

Envie uma resposta

Cadastre-se e Aprenda sobre Vinho Grátis!

Toda semana você recebe as melhores aulas e postagens de forma gratuíta no seu e-mail! Sem pagar nada por isso.
CADASTRAR
Aproveite! Em breve nossos cursos serão exclusivos para assinantes!
close-link

Mais vinho, por favor!

Assine
e receba
GRÁTIS
dicas sobre vinhos

Divirta-se com uma taça!
ASSINAR
close-link
ASSINAR O BLOG
Shares
Share This